sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Sumo de um dia medíocre

Deitei de barriga pra baixo
E com a cabeça imersa no travesseiro
Não pude ver o sol nascer.
Na TV uma velha loira cozinhava,
“Eu cozinho melhor do que essa vendida!”
Pensei, ainda afogado na fronha.
Na rua um idiota qualquer gritou algo
Que não entendi.
Há dias em que entender é difícil.
Há dias que não deveriam existir...
Há dias em que não deveríamos existir.
Será que Deus, alguma vez, já se arrependeu de nós?
Será que já nos arrependemos de nós?
Haviam se passado horas e nada de ninguém,
Ou eu morri para o mundo,
Ou estou na lista dos lícitos que não convém.
Um beijo engasgado me trouxe remorso.
Poetas só se remoem por amor.
Isso é verdade!
Levantei-me, lavei o rosto.
O dia não sorriu pra mim!
A mulher ainda cozinhava.
- Ela cozinha muito melhor que eu! –
O mal do homem é se sentir eterno
E ser tão sensível, ao ponto de se desintegrar
Na primeira esquina

Pelo raio ultra-violeta do primeiro amor frustrado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário